Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11690/1146
Authors: Grespan, Carla Lisboa
Title: Heterotopias on-line: sociabilidades e performatividades juvenis LGBT no facebook
Keywords: Juventudes LGBT;Heterotopias on-line;Cultura do afeto;Sociabilidades;Performatividade
Issue Date: 2019
Publisher: Universidade La Salle
Abstract: Esta Tese aborda a juventude LGBT (Lésbica, Gay, Bissexual e Transexual) e a maneira como se relaciona com as redes sociais on-line e com a Rede de Movimento Social LGBT, tendo como objetivo compreender de que modo o exercício da ciberdemocracia, da amizade e da escrita de si entre jovens, que se relacionam pelo Facebook, podem se constituir como uma política de performatividade e um dispositivo de enfrentamento das precariedades. As 683 postagens (textuais e imagéticas), das fan pages de Organizações Não Governamentais que militam na Rede de Movimento Social LGBT - Jóvenes LGBT México (México), Federación Argentina LGBT – FALGBT (Argentina), Rede Ex Aequo (Portugual), Rede Nacional de Adolescentes LGBT (Brasil) - construíram a cartografia dos bancos de dados e interações, analisadas através das ferramentas metodológicas de Análise de Rede Social (ARS), Análise de Discurso de Michel Foucault e Análise Imagética de Gillian Rose, sendo utilizado como arcabouço teórico de análise os Estudos Feministas, Culturais, de Gênero e, sobretudo, os Estudos Queer, sustentado em três eixos conceituais – Políticas de Performatividades, Precariedade e Sociabilidades. Esta concepção teórico-metodológica situa a pesquisa como exploratório-descritiva, netnográfica, de caráter qualitativo e relacionada aos processos educacionais que constituem os sujeitos no ciberespaço, sendo desenvolvida em três linhas de análise: Rede de Movimento Social, Ativismo On-line LGBT e Escrita de Si. Da análise do material, resultou a tese, segundo a qual, a amizade nas redes sociais on-line pode ser constituinte de uma potência revolucionária, uma combinação produtiva de desejos e afetos que subvertem as malhas da sociedade de controle, já que as redes colaborativas e a militância glocal produzem fissuras, práticas de liberdade que não operam pela vontade de dominação, mas pela resistência constituída no comum, articulada em multidão e agenciada por redes de afeto. A isso denomino Heterotopias On-line. Esta Cultura do Afeto é representada pelo amor revolucionário que tem significado na resistência, porque resistir é, ao mesmo tempo desejável e desejante. E é do resistir (cri)ativo que podemos construir um mundo melhor.
metadata.dc.contributor.advisor: Ratto, Clebe Gibbon
Appears in Collections:Doutorado em Educação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
clgrespan.pdf6,14 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.